Brevíssimo comentário sobre os conceitos de Metanóia e Enantiodromia

(12 de setembro de 2011)

Dois conceitos fundamentais para a compreensão da psicologia junguiana são os conceitos de enantiodromia e metanóia. Os dois conceitos compreendem regras fundamentais naturais da dinâmica psíquica, fundamentais ao principio de equilibrio psiquico.

No primeiro caso, Jung adotou o termo “enantiodromia” fazendo uma referencia ao Heráclito, que foi o primeiro a esboçar o conceito. Enatiodromia significa “correr para o outro oposto” ou “ir para o contrario”. Aplicando esse conceito à dinâmica energética, podemos compreender que quando há uma excessiva concentração energética em um dado ponto,isto é, a uma dada postura da consciência, a a energia tende fluir ou buscar o ponto oposto como uma forma de manter o equilíbrio. Por exemplo, uma atitude excessivamente unilateral do Ego, pode ativar no inconsciente o princípio contrário. De forma que “[…] a tendência a renegar todos os valores anteriores para favorecer o seu contrário é tão exagerada quanto a unilateralidade anterior” (Jung, 2001a,p.67)

A Enatiodromia é um processo inconsciente de mudança de perspectiva, onde o oposto negado, emerge se impondo a atitude da consciência. Geralmente, isto ocorre relacionado com sintomas neuróticos.

A Metanóia significa “mudança de pensamento” ou “mudança de caminho”, esse termo de origem grega aparece nos textos biblicos, sendo traduzido como “conversão”. Por isso é importante compreender essa breve distinção, que no sentido usualmente biblico ou religioso, metanóia é aplicado no conversão ou no processo no qual o homem se rende a Deus, deixa de seguir seus caminhos para seguir os caminhos designados por Deus. O exemplo disto é a conversão de Paulo.

Em termos psicológicos, metanóia é um processo característico do processo de individuação. A metanóia “[…]não se trata de uma conversão no seu contrario, mas de uma conservação dos antigos valores, acrescidos de um reconhecimento do seu contrário.” (JUNG, 2001a, p.68). A diferença fundamental entre a enantiodromia e a metanóia está na participação da consciência. Enquanto na enantiodromia o movimento em busca do oposto puramente inconsciente, já na metanóia a busca pelo oposto, ocorre com uma participação da ativa da consciência, num movimento de integração do oposto, mas sem perder os valores anteriores. Assim, na metanóia (ou no processo de individuação) há uma consideração do individuo em sua totalidade, implicando, uma consideração ética acerca do própria existência.

A metanóia consiste numa “mudança de caminhos” na medida em que implica num alinhamento do individuo com sua totalidade, um ajustamento na relação do Ego com o Self.

Referencias

JUNG, C.G.. Psicologia do Inconsciente. Petrópolis: Vozes, 13ed. 2001a

——————————————————–

Fabricio Fonseca Moraes (CRP 16/1257)

Psicólogo Clínico de Orientação Junguiana, Especialista em Teoria e Prática Junguiana(UVA/RJ), Especialista em Psicologia Clínica e da Família (Saberes, ES). Membro da International Association for Jungian Studies(IAJS). Formação em Hipnose Ericksoniana(Em curso). Coordenador do “Grupo Aion – Estudos Junguianos”  Atua em consultório particular em Vitória desde 2003.

Contato: 27 – 9316-6985. /e-mail: fabriciomoraes@yahoo.com.br/ Twitter:@FabricioMoraes

www.psicologiaanalitica.com

mandala